O Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Ibram) multou na tarde desta terça-feira, 4 de outubro, a indústria de cimento Ciplan, na região da Fercal, próximo a Sobradinho. A punição se deu em razão dos altos índices de poluentes do ar expedidos pela fábrica, na região.

No local há 14 empresas entre elas, produtoras de cimento, mineradoras e usinas de asfalto, responsáveis pela maior parte dos problemas de poluição do ar que atingem cerca 26 mil habitantes.

Caso Ciplan

O Ibram autuou a empresa no último dia 26 de agosto e proibiu o funcionamento do forno 1. A empresa possui 3 no total. O primeiro é o que mais polui, por não possuir filtro adequado.

A medida foi tomada em conjunto com o Ministério Público Federal, que havia recomendado o fechamento do forno 2 também . O acordo em fechar apenas o primeiro foi feito em nome da regularização da produção da indústria e pela não-paralisação das atividades da empresa. O Ibram, está analisando a licença de operação do forno 3, mais moderno e com filtro. A empresa tem até janeiro de 2012 para adequar os três fornos.

Para a emissão da licença foram exigidas condicionantes de monitoramento das emissões por meios eletrônicos com sensores remotos. Os aparelhos vão fornecer onlinea quantidade de particulados. Também serão instalados sensores a laser e câmeras nas chaminés para o monitoramento correto

Multa

Laudo técnico de emissão de poluição, elaborado por técnicos do GDF, concluiu que o forno de número 1 continuou funcionando, mesmo após a autuação. O Ibram entregou a multa de cerca de R$ 250 mil pelo descumprimento e mais R$ 50 mil por dia de funcionamento após o dia 04 de outubro.

Compensação ambiental

O TAC Nº. 014/2005, firmado entre Ciplan e GDF, prevê a construção de uma escola e de um posto de saúde na região da Fercal, como compensação ambiental pelo funcionamento da empresa. A Ciplan concordou com as obras e a licença ambiental para os equipamentos públicos deve ser liberada nos próximos dias.

 

Fonte: www.ibram.df.gov.br

O Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Distrito Federal (Ibram), por meio da comissão gestora da Agenda Ambiental na Administração Pública (A3P) firmou parceria com a Companhia de Saneamento Ambiental do DF (Caesb) no projeto Biguá, de reaproveitamento de óleo de cozinha. Com isso, o edifício sede do Instituto passará a ser mais um ponto de coleta desse programa em Brasília.

O Projeto Biguá consiste em reutilizar o óleo de fritura para a produção de sabão em barra evitando assim, que haja o descarte desse resíduo na rede de água e esgoto, e acarretando danos ao meio ambiente, a exemplo da poluição dos corpos hídricos. Existente desde 2007, as ações do programa contam com o apoio de instituições como o Sindicato de Hotéis, Bares, Restaurantes e Similares (Sindhobar) e da Secretaria de Obras nas doações de óleo.

No Ibram, haverá um tonel de coleta no hall de entrada do edifício sede para que as pessoas possam trazer de casa, o óleo de cozinha usado. Serão aceitas doações tanto dos servidores do órgão quanto da comunidade. A Caesb é a responsável por fazer o recolhimento dos vasilhames de coleta nos pontos de apoio, além da filtragem, classificação e doação dos resíduos para a produção de sabão. O programa prevê para 2011 iniciar a transformação em biodiesel.

O Projeto Biguá contempla ainda o lado social, uma vez que os resíduos são doados para entidades de comunidades carentes cadastradas, que fazem a fabricação dos sabões, gerando emprego e renda.

 

Fonte: www.ibram.df.gov.br